COMPARTILHAR

O Ceaser Palace e o Bellagio em Las Vegas, que estão entre os melhores e maiores hotéis do mundo e a hotelaria que oferece além de muitas coisas, o conforto e os serviços que todo cliente em viagem necessitaA ORIGEM DA ATIVIDADE HOTELEIRA

 

Por Enio Trevizani

A hotelaria é bem mais antiga do que se imagina. Não há registros precisos que informam o início desta atividade, hoje tão procurada, seja em busca do lazer, descanso ou mesmo o turismo de negócios. A história da hotelaria se confunde com outras atividades, como o transporte e o comércio.

Devido à necessidade de locomoção, o indivíduo necessita de um lugar para descansar e alimentação. Alguns dados descrevem a criação de alojamentos, na antiga cidade grega de Olímpia, destinados a hospedar os atletas que ali competiam, muitos séculos antes da era cristã.

Lembramos a história do nascimento de Cristo: o jovem casal, José e Maria, foram obrigados a viajar da Galiléia, para a cidade natal de José, Belém, em Israel, pois o Imperador César Augusto, exigiu uma nova contagem do povo judeu. Graças ao novo censo do imperador romano, a cidade estava lotada e José não encontrou nenhuma pousada ou casa que o acolhesse. Sua esposa já estava no nono mês de gravidez e o carpinteiro acabou por ficar em um estábulo ou manjedoura, aonde bebê veio a nascer.

Sob o domínio do império romano, que se estendeu por quase toda Europa, Ásia e África, os romanos construíram longas estradas, que ligavam as principais cidades sob domínio do império à capital romana, melhorando o deslocamento das legiões e suas bigas. Para que essas viagens fossem possíveis, houve a necessidade da criação de estalagem para o descanso dos soldados a serviço de César.

Esses locais de descanso eram chamados de “mansiones” e eram bem refinados em sua construção e serviços. Seus administradores obedeciam a regras muito rígidas, como por exemplo: uma pessoa que não apresentasse uma carta assinada por uma autoridade, não poderia ali se hospedar. Por outro lado haviam pequenas pousadas que circundavam as estradas, chegaram até a dar nome a regiões, como a famosa Via Appia, na Itália

As antigas tavernas, a Via Ápia e as "Mansiones"

Após a queda de império romano, as viagens se tornaram inseguras, hospedarias passaram a ser evitadas e o viajante procurava proteção nos monastérios, que eram mais confiáveis e mais seguros.

Mais tarde no séc. XII, a região européia estava mais segura e com o surgimento das carruagens, o viajante podia contar com vários locais de pouso, ao longo das estradas. Países como a França e Inglaterra começavam a implantar normas, regulamentando a atividade hoteleira. A palavra hotel foi criada pelos franceses para definir grandes casas com vários quartos para alugar (Hôtel Garni).

Com o surgimento das ferrovias a partir de 1840 e os navios a vapor, período que marcou o fim das estalagens, grandes hotéis foram construídos próximos aos terminais ferroviários e marítimos. Em 1870, em Paris, foi inaugurado o César Ritz, o primeiro hotel a possuir banheiros privativos e funcionários uniformizados.

O César Ritz de Paris, os tradicionais motéis dos Estados Unidos e Las Vegas, considerada a Disneylandia de adultos

O continente americano acompanhou toda essa tendência, construindo imponentes hotéis, principalmente nos Estados Unidos, que criaram um novo conceito em hotelaria: os motéis, com quartos simples, somente para pernoitar e com preços mais acessíveis. Em Las Vegas, encontramos pelo menos sete entre os 10 maiores e mais luxuosos hotéis do mundo, cidade famosa por seus Hotéis Cassinos, como o Caesar Palace, com 5.000 quartos e uma imensa área de lazer e entretenimento. Miame é outro exemplo de excentricidade americana, com parques temáticos que abrigam vários “Resorts” (mega hotéis temáticos que possuem uma grande estrutura de lazer e hospedagem

O hotel mais antigo em funcionamento no Brasil é o Grande Hotel Pocinhos, inaugurado em 1899, em Caldas (MG).

O Hotel Pocinhos, mais de 100 anos em atividade

A história da hotelaria no nosso país iniciou-se em São Paulo, precisamente no séc.XVII, diferentes setores do comércio eram proprietários das estalagens, como taverneiros, donos de mercearias, barbeiros e outros.

A partir de 1870, já havia grandes hotéis na capital paulista, mas os clientes só podiam se hospedar mediante a uma carta de apresentação.
Com o apogeu da atividade cafeeira, o país obteve fama internacional, atraindo grandes negócios e com a ajuda das belas paisagens e da música brasileira, destinos como o Rio de Janeiro, despontou-se no cenário internacional. Com a grande procura estrangeira pela capital do país, foram construídos nos anos 20, os glamurosos hotéis: Copacabana Palace e o Hotel Glória. Marcando assim a cidade como pólo de turismo e lazer.

Entre os anos 30 e 40 a hotelaria se desenvolvia a todo o vapor, foram construídos imponentes hotéis como o Grande Hotel São Pedro em Águas de São Pedro, o complexo hoteleiro de Caldas Novas, o Palácio do Quitandinha, em Petrópolis, o Grande Hotel de Araxá, em Minas Gerais, entre outros.

Grande Hotel São Pedro em Águas de São Pedro (SP), o Palácio Quitandinha em Petrópolis (RJ) e o Grande Hotel de Araxá em Minas Gerais, esses hotéis foram famosos cassinos no início da década de 40

Durante os anos 70, com incentivos fiscais do governo federal, novos hotéis foram construídos, principalmente nas cidades do Rio de Janeiro e Salvador, na Bahia.

Redes hoteleiras, tanto nacionais como internacionais se espalharam pelo Brasil, sendo um pouco freadas durante os anos 80, graça as seguintes crises econômicas.

A partir dos anos 90, o turismo retornou sua atividade e até hoje não param os investimentos nesta área, milhões de reais são investidos na construção de grandes complexos hoteleiros, principalmente na região nordeste do Brasil.

Fontes:

“Introdução ao Turismo e Hotelaria”, Editora Senac. São Paulo, 2005 - Senac, São Paulo, 2005
                Associação Brasileira da Industria de Hotéis

CURTA NO FACEBOOK E FAÇA O SEU COMENTÁRIO!!

® Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.


Visitantes On Line

 

Copyright® 2013 - 2014 Crônicas Procopenses

Todos os Direitos Resevados - Cornélio Procópio - Paraná